segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Em busca de nós mesmos


Nos tempos turvos  deste hoje  sombrio,  resta-nos o  sentimento de  fuga. Não da dos  covardes,  mas   aquela  fuga   dos  cansados de pagar   a   conta,   do  servir  de massa   de    manobra,  de   fazer   parte   da  vida  de  gado  de  Zé  Ramalho.

Quem não deseja  um  mundo  mais  justo, mais harmonioso,  mais igual sem tantas crises...  Afinal de contas  todo este caos   parece  me   corroer  por  dentro,   me  faz me sentir  impotente, incapaz! Toda   a  maldade que impera neste mundo  e  nós  envoltos nela.

Nunca me pareceu tão clara e lúcida aquela frase  presente no  Templo  Delfos  "Conhece-te  a   ti  mesmo!". Nestes dias  a  fuga  para dentro   de  nós mesmos, rever  as  nossas  convicções, fortalecermos interiormente, buscarmos a  lucidez.

Numa  época tão  difícil   como  em 2017 é  necessário   a busca  de nós mesmos,   a  persistência, a   coragem   de enfrentar  os  nossos próprios medos,  de enfrentar   o   mal,  de lutar   contra  as  nossas  más   tendências...

A esperança,   plantada   em  meio  as ervas  daninhas da   pequenez  de   alma, do   egoísmo, da  ausência do amor  e    da   in diferença  só sobrevive  se   regarmos  o  nosso  coração com   a força de   vontade...


Fé, Amor  e  Caridade  para  transformar este   planeta. Simbolicamente  o   Pequeno  Príncipe antes  de  visitar   o  lindo  planeta  azul   cuidava   de  seus  pequenos    vulcões,  de sua   rosa...de  seu  pequeno mundo.  Quando vamos arrumar o  nosso mundo interior?

domingo, 1 de janeiro de 2017

Retomando....



Após  um   ano  e alguns  meses  retomo este humilde  blog.  Uma  das metas para este  ano novo  é   o de  ter um  texto publicado  a  cada  dia  deste  ano  de 2017.Bom,  escrevo para minha terapia  e  prazer  pessoal  de   refletir sobre a política, educação, sindicalismo e cidadania.

Neste  primeiro  post,  irei  fazer  uma análise   sobre  o tumultuado ano de  2016,  claro  que não  é um texto do brilhantismo de  um  Mendes Ribeiro, Milton  Cardoso, Juremir  Machado  entre outros...  são  impressões somente. Impressões de quem  teve  um  ano  no âmbito pessoal tão tumultuado tanto quanto  no cenário político nacional e  estadual, guardadas  às  devidas   proporções.

Com  certeza   2016  não    deixa  saudades...  No  âmbito nacional,  o   que  podemos comemorar é  a  Operação  Lava Jato   que  está expondo às vísceras  da corrupção brasileira. Crise  política, econômica  e  social. O caos  tomou conta, paralisou  as  nossas mentes,  estamos numa  das piores crises  de todos os tempos.  saí   Dilma   e   entra  Temer e   o  Brasil "continua sendo  um navio  perdido em alto mar  e  sem    bússola  e comandante",   como  define o jornalista  Milton Cardoso.

A  crise   política brasileira   tem  ao  meu ver três  razões fundamentais:
1º  O   comodismo  travestido   de sermos  "um povo   pacífico" que  usa-se do individualismo  e  da  histórica apropriação  do  público em   nome de interesses escusos. Desde  a   compra  de  votos,  a aceitação  de   que   político rouba mesmo;
2º A  delegação  da resolução   dos   problemas  à classe   política,  a   total   falta  de  formação  política  que  alimenta  esta corja   de  salafrários, fisiológicos, sanguessugas. Ou  fiscalizemos a classe   política   ou eles irão  continuar  ter o   mesmo   comportamento  de sempre. Se  é uma  coisa que  não  faço  mais  é  bajular   político!  Temos  que  parar  de trata-los como  "celebridades"  e   vê-los  como  cidadãos  que   devem  atuar pelo  povo   simplesmente e  
3ª Começar  a  ter   uma  auto-crítica  perante   os  nossos atos,  povo educado,  politizado não  legitima estes sujeitos que  estão aí.  Por  isso  eu  reforço  a campanha:  não  reeleja mais estes  políticos, use  da   arma  que   temos  o  voto!   Temos que dizer um  não a grande  maioria  da  bancada  gaúcha  no   Congresso Nacional   e  na   Assembleia   Legislativa.

Governo Temer

Nunca  esperei  grande  coisa    desta   continuidade  do  desgoverno   Dilma.  As   reformas  propostas  por  Temer são muitos tapas  na  cara   do  povo  brasileiro. O  sacrifício    sendo  sempre   do  povo,   sem  acabar  com  privilégios e gastanças  desde o  tal  cartão   corporativo, emendas parlamentares,  privatização e   entrega do  bem   público  ao  privado  como  o  que  está  sendo proposto para  as ineficientes  operadoras  do  sistema   de   telecomunicações brasileira.   O  que  esperar  de um  governo  que   é  comandado   pelos  senhores  Jucá   e  Padilha?

Governo  Sartori

Com certeza  que   junto  ao seu  antecessor   Sartori  entrará  como  um dos piores  governadores   do   RS.   Hoje parte   do  magistério endeuza   Tarso  que  junto  com  o  atual governador   nos  afundou  de vez  na  crise   que  nos torna  cada   vez   mais  decadentes.  Os  pacotes  anti-crise de  Sartori  demonstram a  incompetência e   o  predomínio de interesses   privados no Estado.   A    extinção das  fundações, o  aumento  do  ICMS  no  pacote  de 2015,  a   colocação de um  leniente  secretário   da  segurança   fazem   com    que   vivemos  um  período   de grande  depressão. Parcelamento   de salários tornados   como  rotina,   só  aumentam   a desesperança... 

Finalizando

Falando  em   desesperança, é  triste  ter  que   escrever   isso,  mas  a  via   sindical (CPERS)  nunca esteve tão  desacreditada.   A gestão  desastrosa  de  Helenir  Aguiar  que  desagregou   a  categoria  tem  sido  também a  de  perda  de conquistas  históricas, num   discurso   a  serviço  do  PT  e  da  CUT  e não  do   coletivo. Resta a oração, o  ato  independente,  menos  o de servir de   massa de manobra   a    uma instituição sindical  comandada por  uma  leniente,   burocrática e  incoerente Direção Central. 

2017 não  será   fácil,   mas  tem  um   fator   positivo: o  de  ser o  depurador  de   muita   coisa. Que sejamos fortes


sábado, 24 de outubro de 2015

Uma Direção Sindical cada vez mais distante...



A cada dia que se passa, fica mais visível que a intenção da atual Direção Central do CPERS Sindicato é o distanciamento da base para com o Sindicato.  A manobra da vez, do grupo liderado por Helenir  foi da realização de um  Conselho Geral em Santa Maria. 

Mais uma vez, a voz da categoria foi silenciada pelo peleguismo da ARTSIND/CUT/PT/PCdoB. Fugindo dos companheiros independentes e de outras forças políticas, a DC faz um evento em Santa Maria, de um dia para o outro realiza um evento para decidir os rumos da categoria, 

A Base alijada das decisões, desrespeito à vontade da Assembleia Geral, ataques e ofensas a quem os questiona, esse é o jeito de dirigir o sindicato, colegas? 

Quem não apoia a esquizofrênica gestão de Helenir e seus aliados, o rótulo é o de "fascista", como a diretora Glaci Weber Medeiros chamou quem queria a continuação da greve no dia 11 de setembro.

Reproduzo a pauta publicada no site do CPERS Sindicato

1- Participar da Frente Brasil Popular;
2- Participar da Marcha da CNTE, dia 11 de novembro de 2015, em Brasília;
3- Participar da Marcha da Mulheres Negras, dia 18 de novembro de 2015, em Brasília;
4- Reforçar as Caravanas em Defesa da Educação Pública, respeitando a liberdade do Núcleo em definir a forma e a data;
5- Criar o Coletivo de Igualdade Racial e Combate ao Racismo;
6- Intensificar a ação em conjunto com o Movimento Unificado dos Servidores Estaduais sobre os deputados de cada região do Estado contra os ataques aos serviços e servidores públicos, mantendo a pressão contrária sobre a Assembleia Legislativa em relação aos projetos em tramitação e, com alerta máximo em Porto Alegre, quando houver a votação do PL 206;
7- Manifestar o posicionamento contrário a extinção da Educação Infantil nas Escolas Estaduais;
8- Realizar manifestação por escola/núcleo, no dia 28 de outubro, instituindo como Dia de Denúncia ao Reajuste Zero do governo Sartori;
9- Realizar Moção de Repúdio ao governador José Ivo Sartori e ao presidente da Assembleia Legislativa, Edson Brum, em relação a agressão sofrida pelos educadores no dia 22 de setembro na Assembleia Legislativa;
10-  Marcar audiência com a direção do IPE exigindo o pleno atendimento.
Honestamente tem coisas muito interessantes, mas a forma arbitrária, a exclusão dos companheiros é inadmissível. Fazer um evento desses distante de Porto Alegre e na época em que estamos recuperando as aulas de greve, demonstra o caráter golpista desta Direção Central. 
A arrogância e o vitimismo pelas vaiais públicas, demonstram a demagogia e o seu único interesse. A conquista de cargos num "futuro governo do PT no RS". Isso não pode ser jamais esquecido pela categoria.
A   distancia com  a categoria é demonstrada por gestos como estes e tantos outros, como deixar companheiros no saguão do Assembleia Legislativa, sem pressionar o  ingresso de professores nas dependências da "Casa do Povo", isso sem falar  do tal Comando de Greve Unificado que ninguém sabe que faz parte.  Sobre a moção do dia 22, já passou quase um mês e agora é que falam em repúdio aos brigadianos que agrediram professores?  Só não vou rir, pro que uma direção como esta honestamente  em respeito aos colegas que estiveram na linha de frente, coisa que a Direção de Helenir  não tem com a categoria.. No momento que os membros da DC se eximiram e saíram de canto.  Alguns membros sabem é gritar em assembleias do sindicato, com os companheiros de outras forças, mas nunca estão na luta de verdade. 

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Navegar é preciso, preciso é navegar...


Se estamos vivendo em tempos de mudanças aceleradas e constantes, também é verdade que ainda temos em nós algumas resistências ao novo.  Como professor, percebo isso diretamente. Repensar as coisas dá trabalho e nos obriga a sairmos de nossas zonas de conforto. 

Talvez o primeiro obstáculo a ser ultrapassado contra o marasmo está aí. Mudar é preciso. Assim como os grandes navegadores que buscam novos rumos, novas terras e até mesmo novos contatos humanos.

A natureza nos dá prova de que é preciso renovar. Precisamos romper os nossos próprios paradigmas e "convicções" para alçarmos novas perspectivas de vida.

Buscamos as nossas respostas em nós mesmos?
O cotidiano entendiante é quem sabe o resultado de nossas visões míopes de que há uma centena de milhares de novas oportunidades. As vezes é difícil enxerga-las diante de tanta coisa que ao mesmo tempo nos chega e arrebata-nos nestes dias acelerados. 

O projeto Genoma conseguiu mapear a nossa genética, constatamos água em Marte, e tantos avanços que estão aí ao nosso alcance.  Talvez, seja preciso a busca de nós mesmos. Adentramos o baile das aparências e convenções sociais, mentimos pra nós mesmos, deixamos de lado o que é essencial pra nós mesmos. Perdemos tempo com tanta bobagem e futilidade....

Vivemos a Caverna preconizada por Platão na sua famosa parábola "O Mito da Caverna" na sua mais ampla concepção.  Presos em nossos falsos preceitos, em nossas justificativas, deixamos de fazer o bem, de sorrir e dar o conforto aos que mais precisam. Dizemos que estamos sozinhos e ocupados, queixamos quando não nos escutam, mas fingimos que ouvimos o outro, Talvez não ouvimos o nosso eu, o que Sócrates já preconizava há 4 mil anos atrás ,,, "Conhece-te a ti mesmo!" Referendado por Jesus Cristo há 2 mil anos...

Arrisco dizer que o elemento faltante de nossas relações neste tao tumultuado século XXI, é o diálogo somado a falta de objetividade em nossas vidas, Sem rumos, perdidos no mar de nossas próprias angustias, naufragamos no vazio existencial empurrados pelos ventos de nossos falsos preceitos, ilusões  e convicções. 

Podemos rumar pra outra direção?  Eis a pergunta que não responderei, Deixo a você que está lendo este simples post. 

domingo, 4 de outubro de 2015

Um adeus à Nicole Gomes



Escrever tem sido  a terapia na minha tentativa de exorcizar os meus fantasmas, os meus medos. Fiquei chocado, ao saber no sábado do falecimento de minha aluna Nicole Gomes. A ficha não caiu ainda...

Ainda estão vivas as lembranças de suas perguntas e seu jeito espontâneo de dizer as coisas. Nunca me esqueço quando passei trechos do livro "As Veias Abertas da América" de Eduardo Galeano, em que ela me disse "Sor nao entendi nada que li!" Era tão espontâneo que alegrava a turma. 

Aliás, ainda conversando com outra aluna daquela 207  que me foi tao linda e inesquecível. Uma turma que me deixou desenvolver a "História Problema", e Nicole sempre tomava a frente pra questionar tudo!

Num ano que tive prazer de lecionar História como nunca, três turmas que talvez jamais nunca mais terei como aquelas 206, 207 e 208 do Colégio Estadual Dr. Wolfram Merzler.

Dói muito perder... A saudade é como a ferrugem que no sereno das nossas tristezas nos corroem. 

Nicole, onde tu estiver no Plano Espiritual, que possas estar bem e consciente de que deixastes pessoas que sempre te admiraram pelo teu brilho,  Sem palavras a mais,


Noé Gomes

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

As contradições da Direção Central do CPERS e o engodo de uma greve unificada



A cada dia que se passa mais evidente fica o quão foi danoso para a categoria o desrespeito à decisão da continuidade da greve na fatídica Assembleia de 11 de setembro 2015 no Pepsi On Stage. A decisão de Helenir desmantelou e criou para os colegas mais novos um sentimento de ilegitimidade do sindicato.

Vou morrer afirmando que a desmobilização da categoria é de responsabilidade desta Direção que escolheu seguir as "determinações" do Conselho Geral em detrimento da instancia maior de qualquer sindicato, que é a sua assembleia geral.

O Discurso de greve unificada cai por terra com os atos da Brigada Militar nesta terça-feira. Os mesmos que estavam unificados agora batem, jogam splay de pimenta e estão a serviço do Governo.  O Discurso da Direção Central mostra-se como  um grande engodo que foi visto pela própria categoria e agora os mesmos que manobraram para  extinguir o movimento, acusam de maneira irresponsável as demais forças políticas.

Não nos oposumemos a nenhum ato unificado, desde que seja respeitada a nossa autonomia! Isso não foi levada em conta pela Artisind/CUT/PT/PC do B. Chamam de greve, dias de paralisação e de forma equivocada deixaram o flanco para que os Deputados colocassem gradis em torno da Praça da Matriz e se exilassem para a aprovação do Pacote de Maldades de Sartori. Depois, protagonizou um dos mais lastimáveis eventos que eu vi em Porto Alegre, quando deputados de oposição foram para o caminhão de som, fazer proselitismos e discursos recheados de oportunismo, contrariando e revoltando-nos. Nós ali, com um gradil em frente à Assembleia, tomando chuva e ouvindo uma presidente fazendo uma assembleia pra decidir se apoiávamos ou não os pacotes de Sartori.
Acusam as demais de forças de desmobilizar o CPERS, quando sempre estiveram presentes em todos os atos. Senão fossem os independentes e demais correntes políticas, não teríamos conseguido adiar a votação dos projetos.

Lastimavelmente eu tenho que dizer isso, mas a gestão da professora Helenir tem se mostrado burocrática e tem impedido de a categoria de fato reagir contra este massacre que o governo do PMDB tem nos colocado.


Hoje, os novos filiados, estão deixando o sindicato. Resta aos mesmos a luta. Estamos cientes que lutamos contra Sartori e as forças políticas que estão atualmente na Direção Central do CPERS. Agora é hora de lutar pelo nosso sindicato, é hora de quem quer manter vivo esta entidade que tem 8 décadas de lutas, ser tomada pela sua base. Contra a burocracia sindical, mais democracia e respeito a vontade da maioria.