sábado, 12 de setembro de 2015

Carta Aberta aos Meus Alunos


Hoje (12 de setembro de 2015,  um dia lindo de sol, o meu coração está no meio de uma tempestade de tristeza, frustração e raiva!  As lembranças ainda latentes da  Assembléia Geral do CPERS Sindicato realizada ontem, me causam tudo isso! 

A minha volta a sala de aula é fruto de uma Direção Central Sindical que promove a política da manobra, que pode ser comparada à da Política do Café com Leite  Primeira República do Brasil (1889-1930)!  Eleições forjadas e o país na mão de gente desonesta!  Assim é que eu vejo a condução política da Direção da professora Helenir a frente do  CPERS. Não queria ficar paralisado até o final do ano, mas sim queria ter mais uma semana pra pressionar os deputados a não votarem os PLs que prevem a retirada de direitos históricos do Magistério e do Funcionalismo Público como um todo! 

Em nome de uma "falsa unificação", a Direção Central atropela a vontade da maioria! Manipula a votação. Não conta os votos dos que abstiveram e numa contagem pra lá de duvidosa encerra a greve dando às costas a categoria!  

A raiz da confusão instalada no final desta assembleia está aí. Desde o primeiro minuto até o fim a condução da mesa diretora foi da falta de respeito aos professores. Há de convir comigo que seja na sala de aula, um ato publico quem comanda tem que ter critérios de equilíbrio e imparcialidade, coisa que a senhora Helenir não demonstrou em nenhum momento! 

A intenção da corrente política da Direção Central do CPERS (ARTISIND/CUT/PT) é o de desgastar  o Governo José Ivo Sartori e usar o sindicato e consequentemente a categoria como massa de manobra pra isso, para que no futuro próximo possam estar loteando cargos de confiança (os chamados CC´s). Isso não me representou e nunca me representará!

Dia 14, eu voltarei vitorioso porque a  minha luta é justa e sem trapaças!  Porque como posso cobrar do  Governador honestidade se a direção do Sindicato engole a vontade da maioria de maneira tendenciosa e com manobras? Mas ao contrário da Direção do CPERS eu posso levantar a minha cabeça e seguir em frente, pois nao uso de trapaças! 

 Mantenho estas palavras
Como professor da falida Rede Pública Estadual do Rio Grande do Sul, sinto-me envergonhado. Percebo a falta de cultura política e sindical do Magistério Sulriograndense. No Estado "mais politizado" do país a categoria da educação é o retrato de que este rótulo é falacioso. 

Colegas que receberam os miseráveis 600 reais estão em sala de aula juntamente com alunos e direções que fingem não estar acontecendo nada! Eu quero estar trabalhando, mas não dá com as coisas que eu vejo, As escolas sem as verbas para as suas manutenções básicas. Falta até papel higiênico pra se ter uma ideia! Enquanto isso, não vão pra rua com medo de perder as suas férias. Eu pergunto para que férias se nem pro mais básico falta dinheiro?

Não faço greve por esporte! Sou grevista pois não aguento mais este sucateamento da escola. Vou pra rua na ânsia de sensibilizar a sociedade.

A Escola virou em última análise um crediário, um espaço recreativo e o antro de todas a hipocrisias! Quantos alunos que vão obrigados estão reclamando de serem prejudicados pela greve, estão de fato imbuídos de estudarem? Parem com isso! Quantas vezes eu tentei dar aula e os que são contra a greve atrapalham o andamento de meu trabalho?

Vou dar este recado diretamente a alguns de aos meus colegas que vivem dizendo que o CPERS não lhes representa, que estão na comoda situação de somente criticar, mas que na hora da luta, fogem! Fácil criticar, mas o que tu contribuiu pra mudar isto que te desagrada?
Pra mim é indigno entrar por 600 reais numa sala de aula, assim como é indigno calar-se com relação a precarização de nossas escolas. Mas cada um com a sua consciência! Sei que o CPERS acabou se afastando da base nos últimos anos, entretanto é hora de unir forças e queiram ou não é unica entidade que nos representa legalmente!
Podem me tirar o meu salário, a minha roupa, me torturarem mas nunca a minha dignidade! Obrigado mãe por me tornar este homem que sou! Hoje o que eu faço é seguir tudo aquilo que me ensinou e que hoje repasso aos meus alunos!

2 comentários:

  1. Oi camarada de luta, aqui é o professor Jorge, tudo de bom?

    Gostaria de seguir o teu blog mas não vi essa opção nele.

    Deixo aqui a minha humilde análise da lamentável conjuntura de traições sindicais que vivemos na nossa, e em outras, categorias.

    http://blogdomonjn.blogspot.com.br/2015/09/rs-burocracia-sindical-desmonta-greve.html

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Jorge.
    Vou colocar o gadedt agora.

    ResponderExcluir